Dead Fish – Hardcore do solo capixaba par ao Brasil

0
1371

Dead Fish – Primórdios e cena independente

Foi em solo capixaba, na capital Vitória, que em 1991 os primeiros passos para a fundação do Dead Fish seriam dados. Atualmente uma consagrada banda do hardcore nacional, o grupo traçou uma longa trajetória no cenário independente até se lançar ao grande público em 2004 com o disco “Zero e Um”.

A formação atual conta com Rodrigo (vocal), Aylland (baixo), Rick (guitarra) e Marcão (Bateria). Em 1995 foi lançado a primeira demo-tape da banda, “Re-progresso” e, três anos depois, o primeiro CD gravado pelo grupo, o “Sirva-se”.

Lançado pelo selo capixaba Lona Records, o primeiro álbum da banda vendeu mais de 10 mil cópias. Nos anos seguintes, “Sonho Médio”, de 1999 e “A fásia”, de 2001, foram os próximos discos da banda. Em 2002, no Hangar-110, espaço consagrado do hardcore brasleiro e berço do hardcore paulista, foi gravado o primeiro disco ao vivo da banda, com músicas dos dois álbuns anteriores.

Todos esses três discos foram produzidos pela Terceiro Mundo produções fonográficas, montada pela própria banda em 1999 para trabalhar nos discos e produções que viriam a partir dali. Destaca-se ainda a importância histórica do álbum “Sonho Médio” para o hardcore brasileiro, álbum que permitiu à banda gravar o seu primeiro vídeo clipe, gravado para a faixa homônima do disco.

Nota: Em 2001 foi lançado também o “Metrofire”, realizado pela banda com o nome de Projeto Peixe Morto. Esse álbum, no entanto, não é considerado pelo grupo como integrante da discografia oficial.

Projeção Nacional

Após mais de 10 anos de história, em 2003 o grupo entra em estúdio para gravar o álbum “Zero e Um”, que seria lançado no ano seguinte e marcaria um divisor de águas para a banda. O disco alcançou mais de 30 mil cópias vendidas em um ano, tendo sido o maior número de vendas da história da banda. No mesmo ano é gravado o primeiro DVD oficial, pela MTV Brasil, com o nome: “MTV Apresenta Deadfish”. Além do primeiro DVD e do álbum mais bem sucedido de sua trajetória, o ano 2004 ainda proporcionou o prêmio VMB de “banda revelação”. A partir daí a banda alcançou projeção nacional e se firmou de vez como um ícone do hardcore nacional.

Após o paradigmático ano de 2004, seguiram-se os álbuns “Um homem só”, de 2006, “Contra todos”, de 2009, e “Vitória”, de 2015. O disco “Contra Todos” brindou a banda com seu segundo VMB, desta vez na categoria “Melhor banda de Hardcore”.

O disco “Vitória”, batizado com o nome da cidade natal da banda, foi produzido de forma independente e com crowndfunding dos fãs. A banda inicialmente tinha planos de arrecadar 60 mil reais na plataforma Catarse (a primeira de financiamento coletivo do Brasil), mas conseguiu bater a marca de 250 mil reais.

A banda continua na ativa e é presença garantida nos maiores festivais do Brasil. O hardcore nacional segue bem representado e forte com o Deadfish.